10 COISAS QUE NINGUÉM NUNCA TE EXPLICOU SOBRE FUNDOS DE INVESTIMENTO DE STARTUPS

10 COISAS QUE NINGUÉM NUNCA TE EXPLICOU SOBRE FUNDOS DE INVESTIMENTO DE STARTUPS

1 – O que são fundos de investimento de startups?

Fundos de investimentos são empresas especializadas em gerir recursos (dinheiro) seu ou de terceiros, investindo em startups e ajudando / guiando o seu crescimento.

2 – Como um fundo de investimento ajuda uma empresa?

A forma mais óbvia para um fundo de investimento ajudar uma empresa é através do dinheiro investido pelo fundo na startup, mas essa não é a única. Além disso, o fundo procura ajudar no desenvolvimento e consolidação do modelo de negócio da startup.

Em geral, os fundos de investimento possuem uma grande contribuição na organização financeira da startup (uma vez que precisam prestar conta para os investidores que compõe o fundo e com isso precisam de controle financeiros rígidos das startups que investem).

Outro ponto em comum que a maioria dos fundos de investimento traz como benefício para a startup investida é a rede de contatos. Em especial a rede de contato com grandes empresas e com fundos para rodadas de investimento seguintes.

3 – Que tipo de empresa um fundo de investimento procura?

Igual todo investidor, o fundo de investimento procura uma empresa com grande potencial de crescimento. Ou seja, uma empresa que irá crescer muitas vezes nos próximos anos e por isso retornará o investimento feito.

É importante ressaltar que os fundos investem em várias startups ao longo da vida e eles sabem que boa parte delas infelizmente irá fracassar. Assim, para ganhar dinheiro, os fundos procuram startups que, se conseguirem seguir o plano traçado e forem vendidas, irão sozinhas pagar todo o retorno esperado pelo fundo.

Portanto, se a sua empresa não possui potencial para crescer 5, 10, 20, 100 vezes nos próximos 5 anos, não adianta procurar um fundo de investimento, pois a sua startup não possui o perfil que eles procuram.

4 – Em que estágio de desenvolvimento um fundo de investimento entra na empresa?

Cada fundo possui uma tese de investimento diferente. Ou seja, possui um foco de área de atuação das startups investidas, um foco de tipo de tecnologia, um tamanho de cheque que está disposto a investir, um percentual da sua empresa que irá pedir como contrapartida e um crescimento esperado para a sua startup nos próximos anos.

Existem algumas maneiras diferentes de classificar as faixas de investimento de cada fundo, mas uma maneira mais conhecida é a determinada abaixo.

Os fundos de investimento entram logo depois de investidores anjo e aceleradoras. O primeiro estágio de investimento é o que chamamos de Investimento Seed. Os fundos presentes nesse estágio já recebem negócios que estão faturando com pelo menos MVPs de alta fidelidade (ou seja, com produtos que já podem ser utilizados e comprados pelos clientes, mesmo que ainda não seja o produto ideal). Eventualmente alguns fundos dessa área investem em negócios mais iniciais, mas para isso, precisam enxergar uma inovação muito grande e uma barreira de entrada para concorrentes também grande. Imagine por exemplo uma solução de biotecnologia. Dificilmente os empreendedores conseguirão desenvolver o produto sem uma ajuda de alguns milhões de reais. Portanto os fundos são necessário para esses negócios já nos estágios iniciais.

Os próximos estágios entram nas categorias Series A, Series B, Series C, ou quantas mais rodadas de investimento existirem. Os cheques aumentam a cada rodada e os fundos procuram startups mais maduras em cada um deles. Nesse estágio só entram negócios mais iniciais que demandam quantias absurdas para desenvolvimento como fármacos por exemplo. No mais, aqui todas as empresas investidas faturam, possuem equipe, produto, histórico e comprovaram uma tração inicial.

5 – Como um fundo de investimento ganha dinheiro?

O fundo de investimento ganha dinheiro quando a startup cresce se valoriza e é vendida total ou parcialmente.

O objetivo de todo fundo de investimento é sair da empresa no futuro, portanto a venda da parte dele ou da startup inteira é a única opção para fazer isso. Várias cláusulas são colocadas nos contratos exatamente para garantir essa possibilidade.

Portanto se você não tem interesse que o seu negócio seja vendido um dia, não procure um fundo de investimento.

O que não quer dizer que ter um fundo de investimento como sócio signifique rigorosamente que você terá que sair um dia. O Mark Zuckerberg continua sendo sócio majoritário do Facebook e todos os fundos de investimentos que fizeram parte da história da empresa ganharam dinheiro no caminho.

6 – Quanto um fundo de investimento investe em cada empresa?

De novo essa resposta varia de acordo com o tipo de fundo. Existem fundos de investimento que colocam desde R$1 milhão na startup até fundos que investem mais de R$100 milhões. O importante é fazer a conta de quanto a sua empresa precisa e quanto ela vale (o famoso valuation do negócio).

Outro ponto de atenção é que os fundos querem ser minoritários, justamente porque o objetivo deles é que o empreendedor continue com o controle do negócio e motivado a fazer o negócio crescer.

7 – Quais são os principais fundos de investimento do Brasil?

Existem dois tipos de fundos de investimento acessíveis para os empreendedores de startup brasileiros: os fundos nacionais que possuem capital de brasileiros e os fundos internacionais que investem em brasileiros.

Para saber quais são esses fundos sugiro uma olhada no post ONDE ESTÃO OS INVESTIDORES no nosso blog.

8 – Como mostrar a minha empresa para um fundo de investimento?

Os fundos de investimento recebem todos os dias dezenas de empreendedores querendo apresentar seus negócios e receber investimento. Muitas vezes não conseguem dar feedback a todos mas em geral tentam pelo menos analisar as propostas que recebem, portanto, o primeiro ponto que ajuda a ser visto é organizar o seu deck de investimento.

O próximo passo é saber como chegar aos fundos:

  • A maneira mais simples e em geral menos efetiva é através do site do fundo. Muitos senão todos possuem campos de contato e/ou formulários específicos para você apresentar sua proposta.
  • Eventos de startups – Todos os fundos possuem equipes de prospecção de negócios, essas equipe frequentam feiras de tecnologia, demo days de programas de aceleração e eventos onde existem startups se apresentando. Seja no palco, seja no evento como um todo é possível encontrar e fazer seu pitch de 1 minuto para esses investidores
  • Rede de contatos – O ambiente de investimento no Brasil ainda é muito fechado e todos se conhecem. Investidores anjo, aceleradoras e fundos se conhecem e conversam, portanto para chegar em um fundo, muitas vezes você começa conversando com outros players do ecossistema de inovação que acabam te apresentando aos fundos.

9 – O que pode dar errado na relação com um fundo de investimento?

O pior que pode acontecer é o fundo e a startup perderem dinheiro. E é o que acontece com a maior frequência. Como as startups são um investimento de risco, boa parte delas não consegue crescer e acaba encerrando suas atividades por vários motivos diferentes. Nesse caso o fundo de investimento irá perder o que investiu e o empreendedor terá perdido o tempo e dinheiro que investiu naquele negócio. E tudo bem. Porque essa é a regra do jogo que foi acordada no início da relação.

Exatamente por isso, é necessário acordar o que acontecerá se tudo der certo e se algo der errado e a forma de fazer isso é exatamente o contrato de investimento. Pela nossa experiência, listamos os principais pontos de polêmica nesses contratos:

  • Discussões sobre percentuais e valuation – Os fundos possuem teses e metodologias de valuation próprias, não é um processo de barganha como a compra de um carro, quando o vendedor coloca um preço, o comprador faz uma contra proposta e assim seguem até chegar em um acordo. Na negociação de valuation, startup e fundo constroem juntos o valuation, caso tenha uma discordância entre eles de quanto vale a empresa o mais provável é que cada um siga o seu caminho
  • Cláusulas de saída – Existem duas cláusulas comuns em todos os contratos de investimento o Tag Along e o Drag Along. O primeiro diz que o empreendedor não pode vender a sua parte da empresa sem que venda junto pelo mesmo valuation a parte do investidor, afinal o investidor investiu no empreendedor e na capacidade que ele tem de levar o negócio para frente. Se o empreendedor vai sair, o investidor tem todo o direito de sair junto. A segunda diz que, caso o investidor consiga alguém interessado na parte dele, mas o comprador queira a empresa inteira, o empreendedor é obrigado a vender a parte dele também, mesmo que o investidor seja minoritário. É claro que existe um valuation mínimo acordado, mas isso garante que o empreendedor não irá barrar uma negociação futura por estar muito ligado emocionalmente com o negócio. E acredite, isso acontece com mais frequência que imaginamos.

10 – O que eu preciso me preocupar no início da conversa com um fundo de investimento?

Procure um fundo de investimento que inspire confiança e você se sinta confortável em conviver. Afinal de contas o tempo médio entre o investimento e a saída do fundo é de 5 a 10 anos.

Não olhe apenas o dinheiro que o fundo irá aportar, olhe como mais aquele fundo pode ajudar a desenvolver o seu negócio.

E por mais chato que seja, preocupe-se com o contrato e com a formalização da relação de vocês, afinal de contas, esses acordos devem ser feitos quando está tudo bem na relação.

By | 2019-04-17T11:47:21+00:00 abril 17th, 2019|investimento, startups|