COMO ESCOLHER BONS SÓCIOS?

COMO ESCOLHER BONS SÓCIOS?

Alguns meses atrás recebi uma mensagem no linkedin de alguém que vinha acompanhando meus textos  e depois de um elogio ao que eu vinha escrevendo, me pediu / sugeriu um texto sobre como encontrar bons sócios.

Embora o tema seja excelente não escrevi na época por uma simples razão. Não existe receita de bolo para isso e fiquei com medo de escrever um texto muito genérico que não trouxesse dicas práticas de como fazer isso.

Hoje, pensando melhor sobre a ideia tenho refletido que o processo de escolha de um sócio realmente não é tão racional e prático, portanto esse texto também não precisa ter a pretensão de ser assim.

Portanto seguem as minhas reflexões sobre o processo de escolha de um sócio.

Estudos mostram que somos a média das pessoas que convivemos (em geral fala-se de média das 6 pessoas com que mais convivemos). Ora, os seus sócios provavelmente entraram nesse seleto grupo de pessoas mais próximas, portanto você precisa em primeiro lugar escolher pessoas que você admira e que estão alinhadas com o seu propósito. É muito ruim quando vemos sociedades onde uma ou mas pessoas são desprezadas pelos outros sócios. Isso em geral acontece quando algum dos sócios entra somente com dinheiro ou quando um dos sócios força a entrada de alguém.

Escolher um sócio é algo importante demais para deixar que outra pessoa faça por você.

Outro ponto que geralmente pode trazer problemas é a forma de enxergar o mundo muito igual tecnicamente entre os sócios. Hoje entendemos que cada negócio possui 3 pilares de sustentação: produto/tecnologia, mercado/vendas e gestão. É necessário que essas 3 vertentes estejam presentes entre os sócios. Algumas vezes vemos sociedades muito homogêneas com 3 programadores ou 4 administradores por exemplo.

Por mais que cada um tenha uma história diferente, temos uma tendência a possuir visões de abordagem de problemas similares de pessoas com formações parecidas com a nossa.

Engenheiros tendem a separar problemas em caixas lineares e concatenadas; profissionais de marketing tendem a ver formas mais vendedoras de abordar um problema, biólogos tentem a olhar lateralmente e ver como vários aspectos diferentes interferem no resultado.

Enfim, procure sócios com histórias e formações complementares a sua.

Outro ponto é que as sociedades são como casamentos, é preciso namorar antes de casar.

Não se consegue um sócio através de um anúncio e com a ajuda de uma agência de RH ou Head Hunter. E sim trabalhando com a pessoa. Um período de testes, para todos os envolvidos é fundamental. Se o seu sócio é muito bom para se vender mas no dia a dia não entrega, só a convivência irá mostrar.

Uma pergunta muito comum é: onde encontrar um sócio?

E a resposta é tão complexa quanto onde encontrar um namorado.

Alguns encontram em bares e boates, outros através da rede de amigos, outros por aplicativos.

O mesmo vale para sócios. Talvez você encontre seu sócio em eventos da área da empresa que você está criando, talvez algum conhecido te apresente e já vi nos EUA plataformas que se propõe a intermediar esse processo.

Talvez o mais importante seja usar um aprendizado que temos na hora de procurar um parceiro. Se arrumar bem, preocupar com a sua felicidade e manter a porta aberta para conversas aumenta a sua chance de conseguir um parceiro. Da mesma forma, arrumar bem a sua empresa, se preocupar com o crescimento dela e manter a porta aberta para conversas aumenta a chance de atrair um bom sócio.

E por fim lembre-se, se você não consegue atrair alguém para sonhar e construir o seu sonho junto com você, talvez esse sonho não seja tão bom assim.

By | 2019-02-27T14:04:41+00:00 fevereiro 5th, 2019|empreendedorismo, startups|