Ao longo dos anos, tenho acompanhado empreendedores de todas as áreas e de vários estágios de desenvolvimento diferentes. Se você quiser atraí-los basta convidar um investidor para alguma banca ou mentoria que os empreendedores virão correndo pela oportunidade de fazerem pitchs dos seus negócios.

Não por acaso, meus posts com mais alcance são justamente os que abordam esse tema, passando listas de investidores e/ou contando o que os empreendedores precisam fazer para atraí-los.

Não que os empreendedores não devam optar pela ajuda de investidores na sua trajetória. Tampouco estou desdizendo tudo o que já disse em outros momentos – sobre a importância de se conhecer o processo de investimento, para assim não cair em armadilhas ou se decepcionar no meio do caminho.

No entanto, uma reflexão que vejo poucos empreendedores se fazendo é:

“Será que eu preciso de um investidor para crescer? E será que preciso desse investimento hoje?”

Para começar essa reflexão, vamos voltar um passo atrás e entender para que serve o dinheiro de um investidor de risco (aquele que investe em startups e que é o grande procurado pelos empreendedores que eu citei antes).

O investidor de risco, pode estar sozinho, geralmente em um estágio inicial que chamamos de investimento anjo; ou na figura de um fundo, podendo se distribuir em diferentes estágios de investimento (anjo, seed, série a, série b, série c, etc). O interesse do investidor é que o seu capital se multiplique. E muitas vezes. Então, no Brasil, eles procuram negócios capazes de crescer (no mínimo) 6 vezes nos próximos 3-5 anos. Ou seja, não é qualquer negócio que se encaixa nesse perfil.

Surge então o primeiro questionamento que o empreendedor deve se fazer antes de procurar um investidor:

“Estou construindo um negócio capaz de multiplicar o seu tamanho várias vezes nos próximos anos?”

Se a resposta não for sim, repense a sua adequação para receber investimento.

Outro ponto que deve ser observado é quanto você precisa. Conheço empreendedores que captaram milhões de reais a empreendedores que cederam participação nas suas empresas por poucos milhares de reais. Sei que a situação financeira de cada empreendedor é diferente e R$10.000,00 para alguns é uma quantia muito significativa, mas será que a participação de 10%, 5% ou mesmo 1% do seu negócio, o negócio que você acredita que tem potencial para que você passe anos se dedicando, não é um preço muito mais caro a se pagar?

Muito empreendedores podem conseguir juntar a quantia inicial dos investimentos que recebem através das próprias economias e/ou vendendo alguns bens como carros e eletrônicos. Será que você só consegue desenvolver o seu negócio se tiver na mão um Macbook Pro?

Outra saída para aqueles que não tem ou já se desfizeram das suas economias mas ainda  vêem necessidade de capital no negócio é justamente olhar para o negócio e ver como ele pode gerar receitas em curto prazo. O lucro dessa operação pode financiar o seu modelo de negócio, que depende de investimento e só será realmente rentável no futuro.

Surge aí a segunda pergunta que o empreendedor tem que se fazer:

“Como eu consigo levantar dinheiro sem um investidor para que o meu negócio avance?”

Em seguida, existe a discussão do que o empreendedor irá fazer com o investimento caso receba. O dinheiro do investidor é para fazer a empresa crescer, alcançar novos mercados, validar o produto junto ao cliente, dar saltos de desenvolvimento do negócio e não para cobrir custos operacionais durante um determinado período. Após o investimento, a empresa tem que alcançar outro patamar de vendas, de diferencial de produto ou de retorno financeiro.

Surge aí a terceira pergunta que o empreendedor precisa se fazer:

“Quais investimentos eu devo fazer para o meu negócio ter um salto de crescimento?”

Por fim, é preciso olhar para fora do seu negócio e entender o mercado. Existe um fator fundamental para o sucesso de qualquer negócio que é o timing. Ou seja, o momento que aquele negócio surgiu, entrou no mercado ou investiu na sua estratégia de expansão. Alguns mercados exigem investimentos maciços em uma corrida contra o tempo e os concorrentes para determinar o grande vencedor. Outros não.

O seu negócio está “na moda”? Ou seja, existem muitos empreendedores tentando encontrar o modelo de negócio ideal para o que você está fazendo? Se sim, o seu negócio precisa de um investimento para ganhar tração através de marketing e vendas. Caso contrário, o investimento pode ser uma propulsão cedo ou tarde demais para um mercado que ainda não existe ou já acabou.

Surge então a última pergunta que o empreendedor deve se fazer:

“O meu mercado mostra sinais de que é a hora de pisar no acelerador?”

Acredite, 90% dos empreendedores que eu já conversei responderiam não a pelo menos uma dessas perguntas se lhes fosse perguntado isso hoje.

Saber quais são as perguntas direcionadoras e como chegar nessas respostas é a maneira mais segura de chegar em um momento onde a sua empresa realmente precisará de um investidor.

Quer saber mais sobre investimentos para o seu negócio? Assine nossa newsletter e acompanhe semanalmente conteúdos novos e relevantes sobre o mundo das startups.