Um grupo de amigos se reúne, começa o desenvolvimento de uma ideia e logo começam a ver que tem um negócio viável. Nesse momento começam as burocratizações do processo com coisas como, por exemplo, dar cargos e funções a cada um deles. Um desses amigos, provavelmente aquele que começou a ideia, assume o papel de CEO. Mas logo surge a dúvida: O que faz um CEO de uma startup?

Não existe uma resposta simples, mas entendo que, dependendo da fase de desenvolvimento da startup, o CEO assume papéis diferentes.

1- Validação do negócio – Da ideia aos primeiros MVPs

Essa é a etapa inicial do negócio. Tudo são hipóteses ainda. No início dessa fase ainda não existe produto, cliente, receita ou qualquer outro elemento que pareça um negócio. E, ao final dela, os primeiros MVPs (mínimo produtos viáveis) estão na mão de clientes que os usam, pagando ou não, e fornecem feedbacks para a empresa.

Nesse momento, o CEO e demais founders da startup são os famosos faz-tudo. Eles estão envolvidos no desenvolvimento do produto, contato com os clientes, financeiro, enfim… É comum uma sobreposição de funções e desorganização nessa fase. Como ainda não existe recurso para uma grande equipe, são os sócios que fazem tudo.

O CEO, além de entrar nessa rotina de apagar incêndios, precisa manter os demais founders e o time (se houver) focados na visão de futuro. Nessa etapa é comum que o trabalho não seja remunerado ou seja muito mal remunerado, assim, a motivação das pessoas não virá pelo salário no final do mês.

Além disso, é função do CEO aprender e fazer com que o time entenda a importância do aprendizado. Como a empresa não tem um histórico, o importante é o aprendizado sobre quem é o cliente, o que ele quer, quais os seus problemas e o que o produto e modelo devem ser.

A principal função do CEO de uma startup nessa fase é aprender.

2- Validação do modelo – Dos MVPs às primeiras vendas

Passada essa fase, a empresa entra na fase de encontrar o modelo de vendas ideal. Aí começa a entrar dinheiro e as atividades começam a demandar mais atividades e o grupo de fundadores começa a não ser suficiente. Mas como trazer gente boa para entrar em uma empresa que ainda está aprendendo a vender?

Nessa etapa, o CEO vende o sonho não só para si e para os seus sócios, mas também para novos funcionários, clientes early adopters e investidores. O negócio ainda está engatinhando, mas o CEO consegue ver o que o negócio pode se tornar.

A principal função do CEO de uma startup nessa fase é manter o sonho vivo na cabeça de todos.

3- Tração – Das primeiras vendas à escala

Nessa fase, a empresa já sabe quem é o cliente, qual é o produto e como vendê-lo. O que fazer agora? Pisar no acelerador. Mas ai entra a famosa dor do crescimento. Cada novo ciclo de crescimento exige mais recursos, mais pessoas, mais processos. E o CEO ou os founders da empresa não conseguem estruturar isso sozinhos. Nessa fase, é comum inchar a equipe, trazendo especialistas em cada área e departamentalizando a empresa.

O que acontece com o crescimento da empresa? Ela tende a se afastar da cultura que a criou, o que era simples deixa de ser, e é papel do CEO garantir com que isso não aconteça. A atração de pessoas é fundamental e, mesmo com um RH forte, é comum que o CEO mantenha-se próximo dessa etapa, principalmente para alinhamento de valores.

A principal função do CEO de uma startup nessa fase é direcionar e manter a cultura.

Ser CEO com certeza não é algo fácil e não é para todos, mas se você tiver um sonho que valha a pena ser perseguido, é provável que esse seja um papel que você vai ter que assumir na sua jornada.

E nós estaremos a seu lado ao longo desse percurso. Acompanhe semanalmente novos conteúdos que vão ajudar no seu desenvolvimento enquanto empreendedor e também do seu negócio. E se quiser sugerir um tema, basta comentar abaixo ou escrever pra gente!